Saiba como atrair a Luz do Solstício de Inverno

Atualizado: 8 de nov.

Yule é o Sabbath que comemora o Solstício de Inverno, é um dos 8 dias de maior poder na Roda do Ano. Venha saber mais sobre ele e como você pode utilizar essas energias em sua vida!

Antes de falar sobre o Yule, acredito que seja importante saber o que são os sabbaths, as oito celebrações dos ciclos da natureza, para isso, você pode acessar o post que explico sobre os sabbaths.



O Yule

O Yule está diretamente relacionado ao Solstício de Inverno - é a noite mais longa do ano.

Muitos celebram o Yule como festival da Luz, no qual a Luz é celebrada em todas as suas manifestações - seja o fogo da lareira, de uma fogueira ou de velas!

A Luz, nesse Sabbat, torna-se um elemento mágico capaz de ajudar o Sol a retornar para a Terra, para nossa vida, corações e mentes.


A simbologia desse sabbath mostra a Deusa como Mãe, que dá nascimento ao Deus Sol, a Criança da Promessa. Algumas pessoas também celebram a vitória do Deus da Luz (Rei do Carvalho) sobre o Deus das Sombras (Rei do Azevinho), pois, a partir deste momento, os dias se tornarão visivelmente mais longos com o passar do tempo, mesmo com o frio.


Muitas tradições também se despedem da Deusa neste dia e dão boas-vindas ao Deus, que governará a metade clara do ano.



A celebração do Solstício em diferentes povos

  • Para os nativos norte-americanos, o Solstício de Inverno marcava o início de um novo ciclo e, por quatro dias, dedicavam-se a jejuns, orações e rituais de “fortalecimento” do Sol. Este período era chamado de “Regeneração da Terra”, todas as pessoas eram purificadas e abençoadas.


  • No Antigo Egito, comemorava-se o renascimento do deus solar Rá e a criação do Universo. Vários outros deuses solares, de várias culturas, eram celebrados, como: Apolo, Balder, Bel, Frey e Lugh.


  • Na tradição nórdica, Yule era celebrado durante doze noites. A primeira, na véspera do solstício, era chamada “A Noite da Mãe”, sendo dedicada à Deusa Freya. A Grande Mãe, a criadora do universo, era reverenciada pelos celtas e representada no topo da “Árvore do Mundo”.


Yule era um Sabbath extremamente importante para os povos nórdicos e celtas, e muitos de seus costumes foram absorvidos pela Igreja Cristã e se transformaram no que hoje conhecemos no Ocidente como noite de Natal, mas falaremos sobre isso mais além.



O que é Solstício

Solstício - sol + sistere (que não se mexe) - significa “ponto onde a trajetória do sol aparenta não se deslocar” em latim.

Consiste no instante em que o Sol atinge maior declinação em latitude em relação à linha do Equador, fato que provoca maior intensidade de radiação solar em um dos hemisférios, caracterizando o solstício de verão (dia maior que a noite). Nesse momento, o outro hemisfério estará em solstício de inverno (quando a noite é maior que o dia). O solstício acontece devido aos fenômenos de rotação e translação da Terra, nos quais a luz solar é distribuída de forma desigual entre os dois hemisférios.



Tradições de Yule

Das tradições de Yule, uma das mais conhecidas e repetidas é a da "Tora de Yule" (Yule's Log).

A Tora de Yule é feita em um pedaço de tronco no qual se fazem 3 buracos e se colocam 3 velas, uma em cada buraco, para simbolizar a Deusa Tríplice. A Tora de Yule também é decorada com azevinho sempre verde para simbolizar a união da Deusa e do Deus e com símbolos que representem o que se quer atrair para sua vida. Este pedaço de tronco é guardado para proteger toda a casa ao longo do ano que virá, sendo queimado no Yule do ano seguinte.


Apesar de ser a noite mais longa do ano, o Yule também contém a semente de luz - que começa a aumentar junto com a duração do dia. Assim, é um momento adequado para tentar vislumbrar o futuro, buscando presságios e sinais, meditando e confiando nas orientações da sua voz interior. A atmosfera deste sabbath é de alegria, celebração e confiança nas promessas do retorno da luz, da renovação e do renascimento.


O que podemos fazer no Yule

Se você quer usar as energias de Yule, mas não tem como participar de um ritual, pode utilizar componentes associados ao Yule.

As cores de Yule, que são vermelho, verde, dourado e branco, os elementos para o ritual de Yule são velas vermelhas, verdes e douradas, guirlandas de pinha, flores frescas e secas, nozes, sinos e fitas coloridas.

As ervas e aromas correspondentes são de azevinho, visco, urze, louro, carvalho, cedro, pinheiro, alecrim, sândalo, canela e ervas e aromas típicos da estação em suas regiões. As pedras são a granada, a esmeralda, o rubi, o diamante, o olho-de-gato e o cristal de rocha.


Enaltecendo a energia do Ritual de Yule, podemos cantar com a família, decorar a árvore de Yule, pintar cones de pinheiro como símbolos das fadas, tocar sinos para homenagear as fadas, colocar guirlandas na porta principal da casa, espalhar visco pela casa, colocar sementes de flores e alpiste do lado de fora para os pássaros, colher folhas verdes no dia de Yule e queimá-las em Imbolc para afastar o Inverno e invocar os poderes da primavera.

As comidas e bebidas tradicionais de Yule são os bolos de frutas, nozes, pães variados, vinho quente e frio, uvas, maçãs, melões e comidas típicas da estação em suas regiões.


Yule e o Natal

Falando sobre o Yule, é impossível não chegar à nossa atual tradição ocidental de comemoração do Natal.

Como sabemos, durante a ascensão da Igreja Católica na Europa, muitas tradições pagãs foram absorvidas e distorcidas - e o Yule foi uma delas!

Após ser festejado em datas diferentes, o Natal foi estabelecido dia 25 de dezembro para se associar as celebrações do solstício de inverno pagão da época, que ocorre por volta do dia 21 de dezembro no Hemisfério Norte.


As lendas cristãs contam que Jesus nasceu em um dia 25, mas não falam de qual mês. Então, em 320 d.C., autoridades da Igreja Católica decidiram marcar a data do nascimento em dezembro, assim absorvendo o culto sagrado do Solstício de Inverno dos celtas e saxões, que celebravam o nascimento da criança da promessa: o Deus Sol.


Como expliquei no início desse material, diversas culturas celebram o nascimento de um Deus no Solstício de Inverno. A árvores de Natal (pinheiro), as decorações (estrela, luzes, ornamentos, velas) e a troca de presentes são apenas mais alguns exemplos de tradições pagãs que foram absorvidas pela Igreja e se transformaram no Natal que conhecemos hoje.



 

Fontes:

Amy Sophia Marashinsky: "O Oráculo da Deusa"; Claudiney Prieto: "Wicca - Religião da Deusa" e "Todas as Deusas do Mundo"; Mirella Faur: "O Anuário da Grande Mãe"

69 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Blog Janinne.png